Fonte: http://www.dosenhor.com/artigos/casamentojudaico-b.kasdan.php

Casamento judaico

 

O Pano De Fundo Histórico


Assim diz o Senhor: Neste lugar, do qual dizeis que está deserto, sem homens, nem animais, nas cidades de Judá, e nas ruas de Jerusalém que estão assoladas, sem homens, sem moradores e sem animais, ainda se ouvirá a voz de gozo, a voz de alegria, a voz do noivo e da noiva, e a voz dos que trazem ofertas de ações de graça à casa do Senhor, e dizem: Dai graças ao Senhor dos Exércitos, pois bom é o Senhor, o Seu amor dura para sempre. Pois restaurarei a sorte da terra como no princípio, diz o Senhor (Jeremias 33:10-11).

Entre todos os costumes apontados por D-us, provavelmente não exista nenhum mais alegre do que o casamento judaico. É uma simchá (ocasião alegre) que você não quer perder! É claro, é alegre o bastante somente testemunhar dos votos de aliança entre o homem e a mulher que se amam. Quando você soma família e amigos, comida, música e dança, é difícil encontrar uma celebração mais exuberante. Mesmo sendo o casamento cristão uma bênção, existem algumas lições exclusivas a serem aprendidas da cerimônia de casamento bíblico-judaico, em particular. Oséias rituais antigos associados a este costume são ricos em verdades espirituais que lembram Israel da aliança deles com D-us e de Seu amor por eles. Este costume apontado por D-us pode ser examinado através de três partes de que falam a tradição judaica.

Shidduchin

O período Shidduchin é o primeiro passo no processo do casamento, e se refere aos arranjos preliminares esposais legais. Nos tempos bíblicos, o primeiro passo importante era o “noivado”. Era comum, na tradição antiga, o pai do noivo escolher uma noiva para seu filho, às vezes enquanto ele ainda era criança. O casamento era, às vezes, considerado como um ato de ligação de famílias, ou mesmo uma aliança política; entretanto, o que deveria ser descrito como amor era, por vezes, um fim secundário. Uma excelente ilustração do casamento bíblico é encontrado nos primeiros capítulos da Torah, concernentes à vida do patriarca Isaque.

Abraão era agora idoso e bem avançado em idade, e o Senhor o tinha abençoado em todas as áreas. Ele disse ao servente chefe de sua família, aquele que estava à frente de tudo o que ele tinha: Ponha sua mão sobre minha coxa. Quero que você jure pelo Senhor, o D-us dos céus e D-us da terra, que você não vai tomar uma esposa para o meu filho das filhas dos cananeus, entre os quais estou vivendo, mas você irá ao meu país e aos meus próprios parentes e tomará uma esposa para o meu filho Isaque (Gênesis 24:1-4). Este é um exemplo clássico do Shidduchin sendo iniciado para o filho de Abraão. Ainda que isto era considerado de responsabilidade do pai, muitas vezes não era prático. Entretanto, o pai poderia delegar esta responsabilidade, designando um representante. Neste caso, Abraão envia seu servo numa jornada para obter uma noiva para seu filho de sua própria clã semítica. Através das gerações, esta pessoa era conhecida como shadkhan (“agente de casamento” ou “casamenteiro”). Isto pode soar familiar para qualquer um que tenha assistido o filme “Violonista no Telhado”.

Ao encontrar a formosa Rebeca, o servo enviado por Abraão viu claramente a mão de D-us. Convencido da própria seleção, o servo executou o passo seguinte do Shidduchin, o qual é chamado de Ketubah (“escrito”, ou “recibo”). A Ketubah inclui as provisões e condições propostas para o casamento. Isto deve ser chamado de acordo inicial pré-nupcial ou, mais corretamente, de contrato do casamento. Neste documento hebraico, o noivo promete sustentar sua futura esposa, enquanto que a noiva estipula o contexto de seu dote (condição financeira). Isto é destacado no relato do servo de Abraão em relação a Rebeca. Depois de ter conversado com Labão (o pai de Rebeca), o servo reagiu da seguinte forma:

Quando o servo de Abraão ouviu o que eles disseram, ele se curvou ao chão perante seu senhor. Então, o servo trouxe jóias de ouro e prata e artigos para roupas e os deu a Rebeca; ele também deu presentes caros a seus irmãos e sua mãe (Gênesis 24:52-53). A despeito do fato de ser um casamento arranjado, parece claro que o consentimento da noiva era uma cláusula de contingência importante. Isto é evidenciado quando o servo pergunta a Abraão: O que acontece se a mulher não quiser voltar comigo voluntariamente para esta terra? (Gênesis 24:5). Felizmente, no caso de Rebeca, ela concordou com as condições da Ketubah (veja Gênesis 24:58). Para se preparar a cerimônia de casamento, era comum a noiva e o noivo fazerem separadamente um ritual de imersão na água (mikveh). Este ritual era sempre o símbolo de uma limpeza espiritual.

Eyrusin (Desposar)

Depois da mikveh, o casal aparece sob a huppah (“pálio nupcial”), numa cerimônia pública, para expressar suas intenções de se tornarem esposos, ou noivos. Enquanto eyrusin significa “desposar”, uma palavra secundária, às vezes associada com o período, é kiddushin (“santificação”, ou “separado à parte”). Este termo secundário descreve mais especificamente o que o esposar, ou o período de noivado significa, que é separar uma pessoa para a aliança do casamento. Kiddushin também se refere à verdadeira cerimônia eyrusin, a qual toma lugar sob uma huppah.

Desde os tempos antigos, o casamento sob o pálio nupcial tem sido um símbolo de uma nova família sendo planejada (ver o Salmo 19:5; Joel 2:16). Durante a cerimônia, alguns itens de valor são examinados (por exemplo, alianças) e um copo de vinho é compartilhado para selar os votos de eyrusin. Por isso, não havia relações sexuais a esta altura, e o casal deveria viver em lugares separados. O período para desposar é tipificado na história de Isaque, no espaço de tempo entre a aceitação de Rebeca e o real casamento deles em Canaã. O entendimento judaico de eyrusin tem sempre sido mais forte do que nosso moderno entendimento de noivado. O eyrusin era tão obrigatório que o casal deveria, na verdade, precisar de um divórcio religioso (get) a fim de anular o contrato (veja Deuteronômio 24:1-4).

A opção de um get estava à disposição somente do marido, pois a esposa não tinha nada a dizer em nenhum procedimento de divórcio. Ambos, a noiva e o noivo, têm suas respectivas responsabilidades neste período. O noivo deveria usar este tempo como preparatório. Como a huppah simbolizava a nova família, então, o noivo deveria ter como alvo a preparação do novo lugar de moradia para sua noiva e, eventualmente, para os filhos à seguir. Nos tempos bíblicos, isto era resolvido mais facilmente pela simples adição de um outro quarto na casa existente da família. Enquanto o noivo preparava a casa, a noiva teria como alvo sua preparação pessoal, enquanto o dia do casamento se aproximava. Um vestuário lindo de casamento devia ser preparado como um símbolo de uma alegre ocasião por vir. Mais importante, a noiva deveria se dedicar ao verdadeiro espírito do tempo preparatório para o casamento. Para ambos, a noiva e o noivo, este deveria ser um ano de introspecção e contemplação pessoal para esta tão santa aliança - a do casamento.

Nissuin (Casamento)

O passo culminante no processo da cerimônia do casamento judaico é conhecido como nissuin. Isto é baseado no verbo hebreu nasa, que literalmente significa “carregar”. Nissuin era mais ou menos uma descrição gráfica, enquanto a noiva estaria esperando o noivo para levá-la para sua nova casa. Existia uma grande expectativa para a noiva na chegada do casamento. Esse tempo de espera se dava levando-se em consideração um elemento único para o casamento judaico bíblico, que é o tempo da chegada do noivo (e por isso toda a festa do casamento), o qual era para ser uma surpresa. Qualquer noiva que levasse o período de noivado seriamente, estaria esperando o noivo ao final desse longo ano de eyrusin. Entretanto, a hora exata da cerimônia não era certa, pois era o pai do noivo que daria a aprovação final para o nissuin começar. A noiva e sua comitiva estariam, então, ansiosamente olhando e esperando pelo momento exato. Mesmo no final da tarde, a comitiva de casamento deveria manter suas lâmpadas de óleo acesas só no caso em que o casamento estivesse por começar. Como eles saberiam quando seria a hora? Um costume era que um membro da comitiva do noivo liderasse o caminho da casa do noivo para a casa da noiva e gritasse, “Veja, vem o noivo!”. Isto seria seguido pelo som do shofar (chifre de carneiro), o qual era usado para proclamar dias santos judaicos e eventos especiais.

Ao som do shofar, o noivo lideraria a procissão do casamento pelas ruas da vila da casa da noiva. Oséias acompanhantes do noivo deveriam então carregar (nissuin) a noiva de volta para a casa do noivo, onde a huppah foi montada uma vez mais. O casal iria uma vez mais, como eles fizeram no ano anterior, proferir uma bênção acompanhados de um copo de vinho (um símbolo da alegria). Este copo era claramente distinguido do copo anterior, como era refletida na tradicional sheva b’rakhot (“sete bênçãos”) que o acompanhava. O segundo estágio da cerimônia da huppah, como é encontrado no costume do nissuin, serve como a finalização dos votos e promessas anteriores. O que foi prometido na cerimônia do eyrusin agora foi consumado na cerimônia do nissuin. Pela primeira vez, o casal estava livre para consumar o casamento deles, tendo as relações sexuais e vivendo juntos como marido e mulher (ver Gênesis 24.66-67). O pináculo desta cerimônia alegre é o jantar de casamento. Isto é mais do que simplesmente sentar e jantar com todos os convidados, pois inclui sete dias de comida, dança e celebração (veja Juízes 14.10-12). Depois de todas as maravilhosas festividades, o novo esposo estava livre para trazer sua esposa para sua nova casa e viverem suas vidas juntos, dentro da total aliança do casamento.

Observância Tradicional Judaica

Desde os dias de Abraão, esta tem sido a estrutura da cerimônia do casamento. Muitos destes costumes básicos ainda estão incluídos na observância moderna judaica. Se é um casamento em Jerusalém, Londres ou San Diego, é fácil reconhecer a linha de conexão comum de volta à Torah. Na verdade, muitos destes elementos bíblicos e tradicionais são encontrados em outras cerimônias de casamento não-judaicos ao redor do mundo. A observância moderna de cerimônia de casamento tem evoluído durante os anos para incluir algumas adições interessantes. Cada aspecto tem um significado, e o objetivo de nos lembrar de alguns elementos verdadeiros e importantes da história ou cultura judaica. A mudança mais notável na cerimônia moderna judaica é que não há mais um espaço de tempo entre a cerimônia do eyrusin e do nissuin. Alguns estudiosos atribuem esta mudança à Idade Média, onde, por causa dos perigos a que a comunidade judaica estava exposta, não havia garantia de que ambos, noiva e noivo, deveriam sobreviver ao período de um ano. Por isso, as duas partes separadas da cerimônia da huppah eram combinadas em uma de mesmo simbolismo, ilustrando ambos o eyrusin e o nissuin. Modernamente, o padrão para uma cerimônia judaica inclui a eyrusin e nissuin. Ao manter o simbolismo do eyrusin, a primeira parte da cerimônia na verdade, toma lugar antes do corpo principal do casamento. Este é o sinal da Ketubah, o qual normalmente acontece minutos antes do cerimonial. A moderna Ketubah adere à antiga fórmula hebraica e aramaica; entretanto, a tradução inglesa pode variar.

Nos círculos judaicos ortodoxos (especialmente dentro da terra judaica), a Ketubah é considerada um documento de ligação legal que pode ser até submetido à evidência da corte. Entretanto, muitos casamentos judaicos tomam lugar fora de Israel, onde a Ketubah é estritamente um símbolo. Porém, é importante o costume. O documento de ligação, nestes casos, é a licença do casamento emitida pelo governo local. Numa sala privada, na presença do rabino e de, pelo menos, duas testemunhas, a noiva e o noivo assinam a Ketubah. Em comparação, normalmente é tabu para o noivo ver a noiva antes da cerimônia do casamento “Cristão”. Entretanto, na cerimônia judaica, na verdade é um requerimento para o noivo ver sua noiva antes da Ketubah ser assinada. Por que isto? Um noivo judeu, de nome Jacó, não checou apropriadamente sob o véu de sua noiva, e na verdade terminou com a mulher errada (veja Gênesis 29.25). Parece que os futuros noivos judeus têm aprendido desta lição séria, e querem ter a certeza de que têm a noiva certa!

Enquanto algumas comunidades judaicas podem aderir a algumas das práticas culturais primitivas, muitas comunidades começam, na verdade, a cerimônia de casamento com um simples processional. É digno de nota que alguns grupos (por exemplo, aqueles do Irã e Iêmem) têm continuado o costume de casamento pré-arranjado. Depois de assinar a Ketubah, a huppah é montada no lugar do casamento. Isto poderia ser tanto um dossel de pé com bases de suporte, como um dossel com quatro postes montados à mão. O teto da huppah pode ser feito com uma peça de tecido bordado ou com um talit (xale) tradicional de oração. Este é o ponto focal para o qual a cerimônia do casamento caminha. O primeiro da linha deve ser o rabino, seguido pelos vários pares de testemunhas. Cada um toma suas próprias posições.

O rabino fica sob o centro da huppah, com as pessoas que fazem parte da cerimônia do casamento de cada lado do dossel (pálio nupcial). O cerimonial representa a tradição antiga do noivo retirando sua noiva do lar paterno para um novo lar. Antes do noivo começar sua marcha, o rabino diz:

“Baruch Habah B’shem Adonai” “Bendito é aquele que vem em nome do Senhor”.

Nesta altura, o noivo é levado por seus pais até que ele esteja em frente à huppah. Um fato curioso é que o noivo se alinha ao lado direito do rabino, ao se deparar com ele. Isto é o oposto de muitos casamentos “Cristãos”, onde os homens se alinham ao lado esquerdo. É difícil saber se a comunidade não judaica fez a mudança, ou se a comunidade judaica o fez como uma declaração de sua exclusividade. Todos os olhares estão voltados para o começo da ala, enquanto a noiva aparece acompanhada pelos seus pais. O rabino diz:

B’ruchah Haba’ah B’shem Adonai” “Bendita é ela que vem em nome do Senhor”.

A noiva faz sua grande aparição, andando majestosamente em direção ao seu noivo. Ao se encontrarem em frente à huppah, a noiva pode seguir o costume tradicional de circundar o noivo três vezes. Enquanto isso acontece, o rabino explica que isto é simbólico e endossa três envolvimentos matrimoniais que são mencionados nas Escrituras. D-us fala a Israel através do profeta Oséias, Eu desposarei você para sempre; ... em justiça, ... em amor e compaixão. Eu desposarei você em fidelidade ... (Oséias 2.19-20).

O casal dá o braço, enquanto ficam debaixo da huppah. O rabino começa a se endereçar ao casal, tendo suas famílias e amigos como testemunhas. A bênção judaica pode ser descrita, ou outra declaração introdutória importante para a ocasião. O ponto central é, muitas vezes, um drashah (“sermão”) que acentua os valores espirituais do casamento. O drashah, não importando o tamanho que seja, é seguido pela primeira taça de vinho. Esta taça simboliza a intenção de entrar em eyrusin (por exemplo, noivado), que é parte da aliança matrimonial. Tendo entendido a estipulação da Ketubah (por exemplo, contrato), o casal sela a primeira parte do acordo com um gole de vinho, sob a huppah. O rabino salmodia a bênção tradicional:

Baruch Atah Adonai, Eloheynu Melech Ha’olam, Borey P’ri Ha’gafen. Amém” “Bendito és Tu, ó Senhor nosso D-us, Rei do Universo, que criou o fruto da vinha. Amém” (Nós, judeus messiânicos, acrescentamos a frase: “B’shem Yeshua Ha Mashiach”, que significa: “Em nome de Yeshua, o Messias”).

O seguinte é acrescentado em hebraico e português: “Bendito és Tu, ó Senhor nosso D-us, Rei do universo, que nos tem santificado pelos teus mandamentos, e nos comandado ao que diz respeito a uniões proibidas; que tem proibido àqueles que simplesmente estão noivos, e permite àqueles que são casados a nós através da huppah e na sagrada aliança do casamento. Bendito és Tu, ó Senhor, que santifica o Seu povo de Israel através da huppah e da sagrada aliança do casamento. Amém”.

Enquanto a taça de vinho é bebida pela noiva e pelo noivo, eles simbolicamente adentram o contrato total da eyrusin. Em contraste com a cerimônia antiga, a cerimônia do casamento moderno move-se imediatamente para a parte do nissuin. Muitos casais encontram nisto respaldo para a idéia de que o noivado de um ano tem sido condensado na mesma cerimônia da huppah. Nem por isto , as duas partes distintas do casamento judaico deixam de ser vistas claramente. A cerimônia segue para os votos que são trocados entre a noiva e o noivo, podendo ser uma combinação do voto hebraico tradicional, ou uma declaração pessoal em português. É nesta altura que os símbolos dos votos são trazidos à tona, ocasionalmente alianças de ouro. Alguns grupos tradicionais acreditam que é muito ostentoso se ter pedras preciosas; então, eles preferem uma simples aliança de metal. Desde que o Talmud fala do homem adquirir uma esposa, é o noivo somente quem fala o voto tradicional.

Enquanto coloca o anel no dedo da noiva, ele fala: “Harey at m’chudeshet li, b’taba’at zu, k’dat Moshe v’Yisraeyl” “Com este anel você está casada comigo, de acordo com a Lei de Moisés e de Israel” Desde lá têm havido votos feitos publicamente antes dos testemunhos e anéis terem sido trocados. O rabino pode fazer a declaração de que o casal é agora oficialmente marido e mulher. Entretanto, ainda há elementos significativos necessários para o complemento do nissuin. Normalmente, há uma leitura pública da Ketubah. Então, a segunda taça de vinho é cheia para o sheva b’rakhot (“sete bênçãos”). Esta linda melodia hebraica louva a D-us por muitas de suas bênçãos, incluindo a criação do homem e da mulher, a paz em Jerusalém e a alegria da aliança do casamento. Ao final desta tocante oração, o casal bebe da taça para simbolizar o complemento da cerimônia (casamento) do nissuin.

Entretanto, ainda permanece o costume conhecido que se desenvolveu anos depois – a quebra das taças (**). É dito que este costume teve início por um dos rabinos da idade talmúdica que, após observar toda a alegria da festa do casamento, de repente jogou no chão uma taça de vidro. Seu objetivo era considerar que mesmo em tempos de grande alegria, não se pode esquecer do sofrimento de Jerusalém e da destruição do Templo (Talmud Babilônico, Berakhot 31a). Na cerimônia moderna, a quebra da taça ocorre bem no final do casamento. É um doce amargo lembrete da seriedade da vida; ainda, enquanto a taça é quebrada pela sola do sapato do noivo, um grito de júbilo de Mazel tov (“parabéns”, ou “boa sorte”) ecoa através da multidão. Depois de um beijo entre o esposo e a esposa, eles caminham em júbilo pela fila ao som de música festiva. Isto é seguido pelo jantar e recepção do marido, com comida, música e dança. Que sinchá (ocasião jubilosa)! (**) Nós, judeus messiânicos, entendemos com esta simbologia que ambos romperam com o passado. Agora, são duas novas criaturas vivendo o evangelho de Yeshua, sendo uma só carne.

 

Barney Kasdan

 

Gen 24:66 Depois o servo contou a Isaque tudo o que fizera.
Gen 24:67 Isaque, pois, trouxe Rebeca para a tenda de Sara, sua mãe; tomou-a e ela lhe foi por mulher; e ele a amou. Assim Isaque foi consolado depois da morte de sua mãe.
Gen 29:25 Quando amanheceu, eis que era Léia; pelo que perguntou Jacó a Labão: Que é isto que me fizeste? Porventura não te servi em troca de Raquel? Por que, então, me enganaste?

Deu 24:1 Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, se ela não achar graça aos seus olhos, por haver ele encontrado nela coisa vergonhosa, far-lhe-á uma carta de divórcio e lha dará na mão, e a despedirá de sua casa.
Deu 24:2 Se ela, pois, saindo da casa dele, for e se casar com outro homem,
Deu 24:3 e este também a desprezar e, fazendo-lhe carta de divórcio, lha der na mão, e a despedir de sua casa; ou se este último homem, que a tomou para si por mulher, vier a morrer;
Deu 24:4 então seu primeiro marido que a despedira, não poderá tornar a tomá-la por mulher, depois que foi contaminada; pois isso é abominação perante o Senhor. Não farás pecar a terra que o Senhor teu Deus te dá por herança.

Jdg 14:10 Desceu, pois, seu pai à casa da mulher; e Sansão fez ali um banquete, porque assim os mancebos costumavam fazer.
Jdg 14:11 E sucedeu que, quando os habitantes do lugar o viram, trouxeram trinta companheiros para estarem com ele.
Jdg 14:12 Disse-lhes, pois, Sansão: Permiti-me propor-vos um enigma; se nos sete dias das bodas o decifrardes e mo descobrirdes, eu vos darei trinta túnicas de linho e trinta mantos;

Psa 19:5 que é qual noivo que sai do seu tálamo, e se alegra, como um herói, a correr a sua carreira.

Joe 2:16 congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai os meninos, e as crianças de peito; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu tálamo.

 

Artigos